terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

ITABIRA MG

ITABIRA MG

https://pt.wikipedia.org/wiki/Itabira

Itabira é um município brasileiro no interior do estado de Minas GeraisRegião Sudeste do país. Pertence à Mesorregião Metropolitana de Belo Horizonte e Microrregião de Itabira e localiza-se a nordeste da capital do estado, distando desta cerca de 110 km. Ocupa uma área de 1 253,704 km², sendo que 12,4377 km² estão em perímetro urbano,[7] e sua população foi estimada em 2014 em 116 745 habitantes.[3]
A sede tem uma temperatura média anual de 21,7 °C[8] e na vegetação do município predomina a Mata Atlântica. Com 93% da população vivendo na zona urbana,[9] Itabira contava, em 2009, com 63 estabelecimentos de saúde. O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,756, considerando-se como alto em relação ao estado.[4]
A região começou a ser desbravada no final do século XVII, porém foi somente no decorrer do século XVIII que ocorreu um povoamento do lugar, após a descoberta de ouro nas montanhas itabiranas. Entre o final do século XVIII e começo do século XIX, a mineração do ouro entrou em declínio, porém ao mesmo tempo a exploração do ferro começava a ganhar impulso, surgindo então as primeiras forjas. Ao longo do século XX várias empresas vêm para Itabira atraídas pelas reservas ferríferas, e em 1942 é criada a Vale S.A. (antiga Companhia Vale do Rio Doce), dando início à exploração do minério de ferro em grande escala e a um novo período de desenvolvimento social, econômico e estrutural em Itabira.
Além de se relevar no setor de exploração mineral, Itabira também se destaca por ser terra natal de Carlos Drummond de Andrade, contista, cronista e poeta modernista que se inspirou em sua cidade-natal para algumas de suas obras. Também há uma série de atrativos naturais, tais como a Mata do Limoeiro, a Pedra da Igreja, a Serra do Bicudo e a Serra dos Alves, além das cachoeiras dos Cristais, do Campo, da Boa Vista, do Limoeiro e do Meio

História 

Origens 

Sebastião da Rocha Pita, em sua obra História da América Portuguesa, descreve a "descoberta" da região como ocorrida em 1698.[10] Porém o território ocupado pelo atual município de Itabira começou a ser de fato povoado no decorrer do século XVIII, após dois mineradores (os irmãos Francisco e Salvador Faria de Albernaz) encontrem ouro nos ribeiros que desciam pela encosta de um morro, no ano de 1720.[10]
Francisco e Salvador Faria de Albernaz eram paulistas descendentes de bandeirantes e estavam em busca de escravos, tendo se afixado nos arredores do dito morro e por bastante tempo aproveitaram sozinhos as minas descobertas.[10] Algum tempo depois, a notícia da descoberta de ouro se alastrou e logo vieram novos exploradores, ocorrendo nas décadas seguintes um processo de ocupação das terras da atual Itabira, em especial às margens dos riachos que corriam ao pé do Pico do Cauê. Por vezes essas terras ocupadas englobavam áreas de domínio indígena, dando origem a conflitos e mortes.[10] Ao final do século XVIII, o povoamento já era consistente e havia sido batizado de Sant’Ana do Rosário, vindo a ser construída no começo do século seguinte uma capela em honra a Nossa Senhora do Rosário, padroeira do lugar.[10]

Geografia 

A área do município, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é de 1 253,704 km²,[2] sendo que 12,4377 km² constituem a zona urbana e os 1 240,96 km² restantes constituem a zona rural.[7] Situa-se a 19°37'09" de latitude sul e 43°13'37" de longitude oeste[7] e está a uma distância de 111 quilômetros a nordeste da capital mineira. Seus municípios limítrofes são Itambé do Mato Dentro, a norte; Jaboticatubas, a noroeste; Nova União, a leste; Bom Jesus do Amparo, a sudoeste; João Monlevade e São Gonçalo do Rio Abaixo, a sul; Bela Vista de Minas, a sudeste; Nova Era, a leste; e Santa Maria de Itabira, a nordeste 

Clima[editar | editar código-fonte]

clima itabirano é caracterizado, segundo o IBGE, como tropical subquente semiúmido (tipo Aw segundo Köppen),[23] tendo temperatura média anual em torno dos 20 °C com invernos secos e amenos e verões chuvosos com temperaturas elevadas.[24][25] O índice pluviométrico é de aproximadamente de 1 315 mm/ano, concentrados entre os meses de outubro e abril.[26]
Durante a época das secas e em longos veranicos em pleno período chuvoso também são comuns registros de queimadas em morros e matagais, principalmente na zona rural, o que contribui com o desmatamento e com o lançamento de poluentes na atmosfera, prejudicando ainda a qualidade do ar.[27]De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Itabira é o 213º colocado no ranking de ocorrências de descargas elétricas no estado de Minas Gerais, com uma média anual de 5,6251 raios por quilômetro quadrado.[28] Tempestades de granizo não são frequentes, mas uma das maiores e mais recentes ocorreu em 15 de setembro de 2008.[29]
Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1975 a 1979 e 1987 a 1992, a temperatura mínima absoluta registrada em Itabira foi de 5,4 °C em 23 de julho de 1975,[30] e a maior atingiu 34 °C em 8 de fevereiro de 1990.[31] De 1975 a 1984 e de 1987 a 1992 o maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 94,5 milímetros em 14 de dezembro de 1987.

Resultado de imagem para ITABIRA-MG

Resultado de imagem para ITABIRA-MG

Resultado de imagem para ITABIRA-MG